Um desafio de gênero a ser superado. E o papel da licença paternidade nisso.
 
17Sep

Um desafio de gênero a ser superado. E o papel da licença paternidade nisso.

173 Visualizações
Claudio Herique

 

A igualdade entre homens e mulheres está em curso e esta relação precisa ser construída sobre novas bases. Esse é um mantra bastante difundido dentro das empresas e organizações. Os avanços são evidentes, embora ainda haja muito a ser feito. Entretanto, essa evolução deveria começar em casa – e é aí que a coisa ainda pega mais. A desigualdade de gênero nos lares brasileiros é um desafio a ser superado. E as empresas podem fazer sua parte nisso.
 
As mulheres rumaram para as empresas e conquistam cada vez mais espaço. Entretanto, o “território” da casa e dos filhos ainda não é um espaço tão ocupado pelos homens. Um relatório do Instituto Promundo-Brasil divulgado recentemente traz números que comprovam esta realidade.
 
O crescimento das mulheres no mercado de trabalho reflete-se nos dados econômicos. Famílias chefiadas por mulheres (com ou sem filhos) já são 40,5% do total no Brasil. Mas o machismo entra em campo quando os homens mandam no sustento da casa. Cerca de 45% dos que se declaram chefe de família não executam nenhum afazer doméstico. Entre as mulheres, este índice é de apenas 4%.
 
Outro dado interessante: 92,6 % das mulheres e 78,7% envolvem-se nas tarefas de casa e no cuidado dos filhos. A diferença global nem é tão grande assim, mas o envolvimento feminino é o dobro neste caso – 20,9 horas por semana, ante 10,8 horas semanais dos homens. 
 
Juntando A com B não precisamos ser gênios para perceber que aqueles que tem mais tempo para se dedicarem ao trabalho tem acesso também às melhores oportunidades – ou que, no mínimo, ficam menos cansados, o que é já é uma enorme vantagem competitiva. Mas será que a maioria dos homens estão preocupados com isso?
 
Na mesma pesquisa do Promundo, 82% dos homens afirmam que fariam “tudo o que for necessário” para se envolverem no cuidado dos filhos. Legal, não? Entretanto, os pais que dão banho nas crianças com regularidade são 55% do total. Os que cozinham, são 46%. O discurso difere um pouco da prática e talvez isso pode ser explicado pelas estatísticas relacionadas à licença paternidade. O estudo aponta que até 2017 praticamente metade dos homens não havia usufruído da licença.
 
Vale lembrar que no Brasil, a licença paternidade prevista por lei é de 5 dias, mas pode chegar a 20 dias, caso a empresa tenha aderido ao Programa Empresa Cidadã. Algumas empresas chegam a oferecer um tempo maior. O maior exemplo é a fabricante de bebidas Diageo (detentora da marca Johnny Walker) que estendeu o benefício para seis meses.
 
Se uma boa parte dos homens ainda não valoriza a licença paternidade, uma mudança cultural enorme ainda precisa ser feita. E as empresas podem (e devem) fazer sua parte para mudar isso. A extensão da licença paternidade é uma ferramenta poderosa para aproximar mais os homens desse “território” da casa e dos filhos. Quais ações a sua empresa está realizando para incentivar uma adesão maior e promover também o melhor aproveitamento dela por parte dos seus colaboradores?
 
 
O relatório “Situação da Paternidade no Brasil – Tempo de Agir” foi divulgado pela Promundo-Brasil em agosto. Para acessar o estudo completo, clique em https://promundo.org.br/wp-content/uploads/sites/2/2019/08/relatorio_paternidade_promundo_06-3-1.pdf


Posts Relacionados


  • Seis coisas que devemos ensinar aos meninos sobre igualdade de gênero

    792 Visualizações
    Claudio Henrique

    Você quer que um homem venha a respeitar uma mulher no futuro? Ensine esse respeito desde criança. Como pais e educadores, temos que assumir a responsabilidade de fazer este trabalho.

  • O que aprendi quando fui sustentado por uma mulher

    1234 Visualizações
    Claudio Henrique

    Não foi pouca coisa o que aprendi quando fui um dono de casa... Neste artigo compartilho alguns pensamentos sobre dependência financeira, carreira e filhos, trabalho doméstico e muito mais. Enfim, uma experiência que me ensinou muito sobre equidade de gênero

  • Machista, eu?

    16148 Visualizações
    Claudio Henrique

    Defendo a equidade de gênero e a igualdade de oportunidades com unhas e dentes. Mas confesso que travo uma briga todos os dias com o pequeno machista que ainda habita dentro de mim.

  • Palestra Macho do Século 21 - Um homem apoiando a igualdade de gênero

    959 Visualizações
    Claudio Henrique

    Os homens precisam começar a se envolver nesta conversa sobre a igualdade de gênero. Lutar por um mundo mais justo, igual e respeitoso para as mulheres é uma obrigação de todos nós.

Comentários