Para autor do livro "Macho do Século 21", equidade de gênero começa em casa
 
07Jun

Para autor do livro "Macho do Século 21", equidade de gênero começa em casa

187 Visualizações
Claudio Herique

 

Para alcançar a igualdade entre homens e mulheres, é necessário refletir sobre a criação e as atitudes dentro de casa. Essa é a visão de Claudio Henrique Santos, escritor e palestrante. “Por exemplo, no almoço de domingo, as meninas vão para a cozinha ajudar as mães e os meninos vão jogar bola. Isso acaba reforçando sem querer esse conceito de que é mais legal ser menino. Temos obrigação, como pais e como mães, de encorajar nossas meninas e mostrar que o céu também pode ser o limite pra elas. Quando passamos essa confiança dentro de casa, começamos a extrapolar esses conceitos pra fora, e isso chega à empresa”, afirmou, durante participação no Webmulheres, evento online e exclusivo para sócios da Amcham, transmitido no dia 26 de maio.

Apesar das conquistas sociais e políticas dos últimos anos, as mulheres ainda enfrentam preconceitos no mercado de trabalho. O reflexo é notado pelas próprias organizações: em pesquisa da Amcham com 350 executivos, 76% reconheceram que as empresas não tratam homens e mulheres de forma igualitária. Mesmo representando 51% da população brasileira, a participação feminina nos cargos de alto escalão nas empresas brasileiras é de 14%, segundo dados da Ethos. 

Um dos pontos abordados por Santos foi a jornada dupla das mulheres. Líder empresarial por vários anos, o palestrante reconhece que nunca promoveu uma mulher enquanto era gestor. “Eu achava que as mulheres não eram tão comprometidas porque eu ficava trabalhando até mais tarde e as mulheres saíam no horário. Ninguém nunca me contou que elas precisavam sair porque precisavam fazer o segundo horário de trabalho em casa: botar o jantar na mesa, dar banho nos filhos, ver lição e uniforme”, explica. Ele ainda lembrou que, infelizmente, aquela não era a realidade dos homens: por isso, eles podiam ficar até tarde na empresa. Essa vivência é retratada com dados na pesquisa "Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça" divulgada em março deste ano e realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O relatório aponta que as mulheres trabalham, em média, 7,5 horas a mais que os homens por semana devido às tarefas do lar. 

Para Santos, uma das perguntas mais importantes é como mudar essa cultura, ainda machista e opressora. O homem, nesse caso, tem um papel essencial para o empoderamento feminino, segundo o palestrante. “O principal papel do homem é se engajar: entender a importância da gente ter essa diversidade dentro das empresas e, mais do que isso, que as mulheres que estão do nosso lado. Elas já ganharam espaço na sociedade, mas a velocidade [desse processo] será ainda maior quando conseguirmos engajar os homens. E acho que já tem muito homem que está mais ligado nisso e querendo ajudar”, opina.
 

 


Comentários