Artigo - "Como os filmes ensinam masculinidade - Uma reflexão sobre a educação dos filhos"
 
20Feb

Artigo - "Como os filmes ensinam masculinidade - Uma reflexão sobre a educação dos filhos"

412 Visualizações
Claudio Herique

 

Quando assumi a atribuição de “dono de casa”, a minha filha Luiza tinha quase quatro aninhos. Desde então, somos companheiros inseparáveis. Hoje, ela está perto de completar sete anos de vida e uma das minhas maiores preocupações continua sendo a mesma: como evitar passar para ela valores machistas? Afinal, sou um homem e confesso que nunca fui dos mais delicados que conheço. Minha esposa sempre me dá uns toques e me ajuda muito nesse sentido, mas sempre fico com a sensação de que poderia fazer melhor.  
 
Nesta semana eu recebi este vídeo de um amigo que também optou por ficar em casa para cuidar dos filhos. Esse vídeo é o meu tema de hoje, pois nos leva a refletir, pais e mães, sobre a forma como estamos preparando nossos meninos e meninas para o amanhã. Nos convida a pensar a respeito de como vamos ensinar, num mundo ainda com valores tão masculinos, nossas meninas a serem mulheres mais confiantes e nossos meninos a se tornarem homens que respeitarão as mulheres no futuro.
 
A sociedade, empurrada por fatores econômicos, está mudando. As mulheres estão ocupando cada vez mais espaço no mercado de trabalho, algumas a ponto de permitirem a seus maridos optarem por ficar em casa ou trabalharem com horários mais flexíveis para ajudarem no cuidado com os filhos. Minha família é um bom exemplo disso. Mas será que os valores dessa sociedade também estão evoluindo?
 
Os homens que ficam em casa ainda sofrem um preconceito muito grande. Uma pesquisa realizada recentemente pelo Instituto Data Popular, apurou que 42% dos entrevistados não têm o menor respeito pelos homens que fazem essa opção. Por outro lado, a vida das mulheres bem sucedidas profissionalmente também não é das mais fáceis. Elas sabem bem as barreiras e a discriminação masculina que têm de superar. Além disso, não raramente são julgadas pelo “abandono” aos filhos. Sem contar que muitas delas vivem a chamada “jornada dupla” de trabalho, por não contarem com o apoio dos seus companheiros nos cuidados com a casa.
 
Mas voltando ao tema das crianças, será que estamos fazendo bem nosso papel para quebrarmos esses paradigmas? Quantas vezes nós, os pais, não falamos para nossas filhas nos respeitarem porque somos os homens da casa? Ou dizemos para nossos filhos que lavar a louça ou arrumar a casa não é uma tarefa masculina? Qual é a mãe que nunca pediu para seu filho parar de chorar porque isso não é coisa de homem? Devemos ensinar não somente pelo exemplo, mas também pelo que falamos. Afinal, somos as pessoas às quais nossos filhos prestam mais atenção.   
 
Esse vídeo que menciono chama-se “Como os filmes ensinam masculinidade”, tema de uma palestra do Diretor de Comunicação da ONG norte-americana Citizen Schools (Escolas Cidadãs). Collin Stokes, que é pai de um menino e de uma menina, analisa um assunto muito interessante: como o cinema explora o tema masculinidade, inclusive para as crianças, e faz uma série de reflexões sobre como isso se aplica no nosso dia-a-dia. Recomendo assistirem ao vídeo neste link: http://www.ted.com/talks/lang/pt-br/colin_stokes_how_movies_teach_manhood.html?source=facebook#.UwH55UzfgMR.facebook
 
 
 
 
Stokes toca num outro ponto também importante e, ao mesmo tempo, alarmante: uma em cada cinco mulheres norte-americanas sofreram com abuso sexual em algum momento da sua vida. Não consegui encontrar nenhum estudo semelhante no Brasil, mas acredito que a fotografia seja muito diferente. Obviamente que ele não atribui culpa disso à indústria de Hollywood e do entretenimento em geral, mas a pergunta que ele faz e que todos os pais devem fazer é: quais são as mensagens que esses meninos estão captando, para molestarem as mulheres quando adultos?  
 
Nos divertimos com nossos filhos assistindo aos filmes e desenhos infantis produzidos pelos grandes estúdios de Hollywood. Mas será que estamos passando as melhores mensagens para nossos meninos e meninas? Assista a palestra de Stokes e tire suas conclusões.  
 
Gostaria de encerrar mencionando apenas uma das frases de Stokes, para aqueles que não tiverem tempo nem paciência de chegar até o final dos 12:50 do vídeo: “Quero que meu filho aprenda que o dever dele é participar de um time, ao invés de lutar sozinho. E que talvez esse time seja liderado por mulheres, para ajudar outras pessoas a se tornarem melhores”. Como eu tenho apenas uma menina, minha parte talvez seja tentar fazer sempre o melhor para que, quem sabe um dia, a Luiza seja uma dessas líderes.   


Comentários