As mulheres estão fazendo uma revolução. Melhor ir se acostumando.
 
13Feb

As mulheres estão fazendo uma revolução. Melhor ir se acostumando.

145 Visualizações
Claudio Herique

 

Ontem, me deparei com esta manchete do UOL: “Homenageadas, premiadas e exaltadas” – Por que o Grammy 2019 foi das mulheres. Lembrei imediatamente da conversa que tive no dia anterior com um amigo: “você não acha que esse negócio de feminismo está muito exagerado?”, foi o questionamento dele.
 
Você acha certo uma mulher ganhar menos do que um homem na mesma função? Você acha correto uma mulher ser assediada na rua, no escritório? Você é a favor da violência contra a mulher? Como a resposta dele foi negativa, então perguntei: por que o feminismo o incomodava tanto (e a muitos homens)? A resposta dele é que muitas das notícias da imprensa tem um viés feminista, como se tudo agora fosse a respeito das mulheres. 
 
Como jornalista que sou, respondi que esse fenômeno era normal. As mulheres passaram a ocupar espaços até então nunca ocupados por elas. E isso é notícia. Das mais importantes, por sinal. Antes, essas coisas passavam batidas. Isso mudou, porque as mulheres querem (e devem) ser mais reconhecidas pelos seus feitos – e não pelo fato de serem mulheres. Isso poderia ser um problema se as matérias fossem contrárias aos homens. Não me parece o caso.
 
Meu amigo ficou um tanto contrariado com minha resposta, mas o fato é que as mulheres estão engatando a 2ª marcha de uma verdadeira revolução. Olhe ao redor e veja a quantidade de seminários voltados para o público feminino: empreendedorismo, mulheres na tecnologia, no agro, na indústria automobilística. Elas estão denunciando – e mandando para a cadeia - assediadores de carteirinha. Já tem até fundo de investimento exclusivo para este público. Sim, mulheres também ganham dinheiro. E precisam investir, talvez com alguém que entenda suas realidades.
 
Os tempos em que uma mulher precisava de uma opinião (ou permissão) masculina para decidir o que vestir, qual profissão escolher, qual lugar frequentar, o que fazer com o próprio corpo, estão ficando no passado. Quem conhece essa liberdade não quer mais recuar. Com razão. O que você faria se estivesse no lugar delas?
 
Por isso, meu amigo, deixo um conselho. É melhor ir se acostumando. Procure entender essas mudanças e perceber que um mundo mais igualitário é melhor para todo mundo. Ninguém perde espaço e todos ganham. Apoie a ideia da equidade. E quem sabe, um dia, os feitos femininos não serão mais novidade, mas parte de um cotidiano que não incomode a mais ninguém. 


Posts Relacionados


  • Machista, eu?

    15159 Visualizações
    Claudio Henrique

    Defendo a equidade de gênero e a igualdade de oportunidades com unhas e dentes. Mas confesso que travo uma briga todos os dias com o pequeno machista que ainda habita dentro de mim.

  • Vídeo: Machismo e as crianças

    269 Visualizações
    Claudio Henrique

    Neste vídeo faço uma reflexão sobre como o machimo entra cedo na vida das crianças - e bate forte nas meninas. Vale a pena, como pais e mães, refletir sobre como podemos mudar isso

  • O comercial da Gillette que muitos homens não entenderam. Infelizmente.

    406 Visualizações
    Claudio Henrique

    Comercial da marca aborda o machismo e convida os homens a refletirem sobre como podemos ser seres humanos melhores. Mesmo assim, o vídeo está gerando uma série de manifestações masculinas contrárias. Leia minha reflexão aqui.

  • O que aprendi quando fui sustentado por uma mulher

    349 Visualizações
    Claudio Henrique

    Não foi pouca coisa o que aprendi quando fui um dono de casa... Neste artigo compartilho alguns pensamentos sobre dependência financeira, carreira e filhos, trabalho doméstico e muito mais. Enfim, uma experiência que me ensinou muito sobre equidade de gênero

Comentários